sábado, 7 de abril de 2012

Mais umA dA presidentA

Não pude deixar de ler o artigo abaixo, extraído do blogue Juventude Conservadora da UnB, sobre a lei n.º 12.605, de 03 de abril de 2012, sobre a obrigatoriedade de se flexionarem os adjetivos conforme o gênero:
Escrevendo @ português d@ jeitx certx
Caríssim@s leitor@s do blog,
Ess@ post está sendo escrit@ para comemorar @ incrível iniciativ@ d@ govern@ d@ president@ Dilma de preocupar-se com @ emissão d@s diplom@s de ensin@ superior@ n@ noss@ país. Olhem só que notíci@ maravilhos@!
É imensx x nossx satisfação em ver que x governx Dilma está cuidando dx educação nx nossx Brasil. É por issx que estamos agora lançando umx campanhx no blog: fica melhor colocar x ou @ nx lugar d@s artig@s?
Deixe sux mensagem abaix@!
--------------------
Fonte:

domingo, 4 de março de 2012

Vamos parar de frescura?

Vamos parar de frescura?
Tudo por questão de semântica, não de "homofobia":
Ao se referir a parceiros "gays", o correto é dizer "par", e não "casal", pois esta última palavra se refere a seres de gêneros diferentes.

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Ainda contra o aborto ortográfico

"O resultado está bem à vista: o status quo ortográfico, no universo da língua portuguesa, vai manter-se com três grafias oficiais e divergentes: a portuguesa propriamente dita, a vigorar plenamente em Angola e Moçambique; a brasileira propriamente dita, institucionalizada e praticada no Brasil desde há décadas; e, last but not least, a imbecil, utilizada e imposta em Portugal por políticos que não sabiam nem sabem o que estão a fazer, que atropelaram a Constituição e a Lei e que só fazem jus ao qualificativo de irresponsáveis sem escrúpulos.
Duas conclusões neste fim de ano tão nefasto. O direito à greve não é um direito absoluto e o Acordo Ortográfico não está em vigor."

(José Pacheco Pereira)

----------
Fonte: Blogue do FireHead