segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Estrangeirismos de Informática

Histórico e evolução

O inglês é a língua adotada mundialmente devido à influência que os países de fala inglesa têm sobre o mundo. Pelas ruas, é comum vermos o uso de palavras oriundas da língua inglesa, e a via de informação tecnológica pode ser considerada uma das principais usuárias dessa importação em grande escala.
Algumas circunstâncias nos têm levado a encarar com excessiva naturalidade (ou até mesmo com certa indiferença) a presença ameaçadora desses elementos em nossa cultura. Nossa extrema familiaridade com a Língua Inglesa, por exemplo, é uma dessas circunstâncias, pois depois do português ela é a língua que mais utilizamos, embora estejamos cercados por países de língua castelhana.
A verdade é que diariamente recebemos um bombardeio de palavras e expressões da Língua Inglesa por diversos meios. E, com presença tão marcante de vocábulos estrangeiros no Brasil, será que permitir uma invasão exagerada do inglês na língua portuguesa em contexto brasileiro representa um processo de evolução lingüística? Ou de desvalorização do nosso patrimônio lingüístico?
As influências lingüísticas de uma Nação sobre outra não podem ser consideradas parcialmente. É preciso levar em consideração todo um conjunto cultural agregado ao idioma que, dessa forma, pode ser visto como elemento de disseminação cultural.
(...)
O estrangeirismo, enquanto fenômeno lingüístico chama a atenção dos gramáticos, defensores da língua pura e dos lingüistas, defensores de que a língua sempre sofre alterações. Esses diferentes pontos de vista acerca desse assunto, preenchem laudas e mais laudas acerca dele, com opiniões tão diversas, às vezes até contraditórias. Existe, ainda, muita confusão e pouca informação acerca desse fenômeno.
Na língua portuguesa os estrangeirismos mais freqüentes são hoje galicismos e anglicanismos. O vocábulo estrangeiro, quando é sentido como necessário, pelo menos útil, tende a adaptar-se à fonologia e à morfologia da língua nacional, o que para a nossa língua vem a ser aportuguesamento. Em referência às construções sintáticas, a diferença entre estrangeirismo e empréstimo é imprecisa e está, apenas, em maior ou menor sensação de naturalidade.
(...)

A influência da língua inglesa, não só na língua portuguesa como também em outras línguas, acompanhou o crescimento do poder econômico dos Estados Unidos da América, notadamente após o fim da 2ª guerra mundial em 1945. O contato com a cultura norte-americana espalhou-se, a princípio, por meio do cinema e da música, vindo a estreitar-se no mundo dos negócios. Com o desenvolvimento da tecnologia, a informática é, hoje, uma das principais responsáveis pela transferência de uma grande quantidade de anglicismos ao português do Brasil.
Acredita-se que o imperialismo lingüístico do inglês não é a força atual do inglês em si, mas da expansão econômica, cultural e tecnológica dos EUA. A língua é secundária vem com o resto. Os homens preferem falar a língua que lhes permite se movimentar no planeta, portanto se os Estados Unidos é potência e dominante na área de informática é natural que as palavras referentes ao assunto sejam conservadas em sua forma original.
Uma língua como o inglês não teria o título de global sem ter realizado uma transformação lingüística, introduzindo-se em outros idiomas, através do uso de palavras emprestadas, se fazendo conhecer em todo o mundo, sendo como língua estrangeira ou como segunda língua.

Um comentário:

Aryelly Farias! disse...

Oii Evandro, Gostei muiito de suas informações á respeito de " Estrangeirismo de informática" "já estou seguindo o seu Blog!!